SINDARE - Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual do Estado do Tocantins
11/06/2011 - 14h04m

Governo amplia proposta de reforma tributária

 
Governo amplia proposta de reforma tributária, mas não diferencia ricos e pobres e nem redistribui royalties do petróleo Brasília – Depois de apelos dos governadores, o governo concordou em ampliar a proposta de reforma tributária que pretende enviar ao Congresso no começo do segundo semestre. Inicialmente restrita à diminuição do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) interestadual, agora a discussão se estenderá a outras questões. O Ministério da Fazenda, no entanto, quer consenso entre os Estados para evitar o acirramento dos debates no Congresso. O tema com maior consenso dentro da equipe econômica diz respeito à revisão do indexador da dívida dos Estados. Segundo o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, o ministro Guido Mantega admitiu incluir o assunto na reforma tributária. A preocupação da equipe econômica, no entanto, é que a mudança exigiria a alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “O ministro se mostrou disposto a tratar dessa questão, desde que haja o comprometimento de que esse seja o único ponto a ser mudado na Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou Barbosa na terça-feira, 7, após reunião com governadores do Norte e do Centro-Oeste. Atualmente, as dívidas dos Estados são corrigidas pelo IGP-DI mais 6% ou 7,5% ao ano, dependendo do caso. Em épocas de alta na inflação, como nos últimos meses, os débitos disparam e comprometem a capacidade de investimento dos governos estaduais. Os governadores propuseram a criação de uma trava no indexador. A correção seria limitada à taxa Selic (juros básicos da economia), que corrige boa parte da dívida pública federal. Outro tema que deve ser incluído na reforma tributária é a mudança na distribuição do Fundo de Participação dos Estados, formado por impostos federais que a União repassa aos governadores. No ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou defasados os critérios de repartição e determinou a substituição das regras atuais até dezembro de 2012. Barbosa admitiu que os novos critérios podem constar da reforma, desde que haja consenso entre os estados e a proposta que cria os fundos de compensação para os estados que perderem com a reforma tributária seja enviada ao Congresso por meio de projeto de lei complementar. Segundo a equipe econômica, a maioria das reivindicações terá de ser debatida pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os secretários de Fazenda das 27 unidades da Federação, para evitar divergências no Congresso. Entre os pontos que exigirão acordo no Confaz estão a regulamentação do comércio eletrônico e a validação dos incentivos fiscais derrubados pelo STF há cerca de dez dias. Hoje todo o ICMS das mercadorias compradas pela internet fica com os Estados onde são registradas as páginas de comércio eletrônico. Os governadores dos Estados compradores querem a repartição do imposto, como ocorre com os automóveis. De acordo com Barbosa, a questão pode ser resolvida internamente pelo Confaz, mas o governo pode enviar um projeto de lei ou medida provisória ao Congresso se os estados desejarem. Apenas em dois pontos o governo não cedeu aos governadores. A alíquota do ICMS interestadual não será diferenciada entre Estados ricos e pobres. A equipe econômica também não aceitou incluir a redistribuição de royalties do petróleo e da renda do pré-sal na reforma tributária. “De fato, essa questão é federativa, mas tem dinâmica própria e já está sendo discutida no Congresso”, disse Barbosa na semana passada. Siqueira Campos Um dos governadores que queriam que a União tratasse os Estados considerando suas diferenças regionais era o do Tocantins, Siqueira Campos (PSDB). O governador esteve com Mantega na quarta-feira, 8, juntos com os representantes de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas e Pará. “Os entes federativos, os Estados, têm suas diferenças regionais e devem ser tratados diferentemente pela União. Há Estados endividados, como o nosso Tocantins, que se receberem tratamento igual passam a ser inviabilizados", defendeu Siqueira Campos na quarta-feira. Segundo ele, "o caminho unitarista" que pode ser tomado com a proposta do governo federal "é injusto e amplamente prejudicial ao nosso povo". "O governo precisa cuidar da sua gente e não prejudicar as pessoas”, ponderou Siqueira Campos, ressaltando que o debate foi "muito bom e respeitoso, além de muito proveitoso". Com informações:site Cleber Toledo
© 2018 - SINDARE - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare