SINDARE - Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual do Estado do Tocantins
03/05/2011 - 13h54m

Aumento das commodities influenciou o aumento do IPCA

 
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse na manhã desta terça-feira (03/05), na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, que o governo está trabalhando para regulamentar o mercado de etanol, que deverá ser regido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). O governo passará a fazer mais exigências aos produtores, pois o etanol é considerado combustível. O ministro fez a declaração ao apresentar as perspectivas para a economia brasileira para 2011. Ele reafirmou que o aumento do IPCA é explicado pelo aumento das commodities e por questões sazonais, especialmente no início do ano, com o excesso de chuvas em janeiro, elevando o preço dos hortifrutigranjeiros. Outros fatores que acarretaram o aumento do IPCA foram a elevação das tarifas dos preços de ônibus e das mensalidades escolares. O ministro considerou, entretanto, que os vilões da inflação são os itens alimentos e combustíveis. “Se nós olhássemos para o núcleo da inflação, o índice seria menor”, disse. Retirando esses itens, a inflação seria de 4,76% em 12 meses. “A inflação é uma questão fundamental. Vamos ficar sempre alertas para impedir que ela volte. Temos focos internos especialmente não setor de serviços. Vamos zelar para impedir o contágio da inflação de commodities no Brasil”, completou. Mantega disse ainda aos senadores que participam da audiência pública na CAE que o governo está utilizado todas as armas possíveis para impedir que haja reindexação da economia. “A inflação do passado não será colocada adiante”, destacou. Entre os mecanismos que o governo utilizará para controlar a inflação está o estímulo ao aumento da oferta de produtos agrícolas, corte na despesa pública, medidas para conter a expansão do crédito e a pressão no consumo, diminuição da liquidez de crédito no mercado, elevação do custo do crédito para o consumidor (aumento do IOF de 1,5% para 3%) e taxação de 6% do IOF para empréstimos externos com menos de 720 dias, que visa evitar o aumento de fluxo de capital externo com fins especulativos. “Isso não quer dizer que queremos reduzir a oferta de crédito, mas que ele cresça menos”, dos atuais 20% para 15%”. Com essas medidas, afirmou o ministro, o governo espera atingir o crescimento sustentável da economia, com o PIB crescendo 4,5% em 2011 contra 7,5% em 2010. Além disso, o governo espera moderar o crescimento da demanda que deve cair de 10% em 2010 para 6% este ano. “Nós não queremos matar a demanda, porque ela é privilégio. Queremos amenizá-la de modo que seja compatível com o crescimento de 4,5%”. O importante, conforme o ministro, é que a consolidação fiscal não prejudique o investimento e não derreta a economia. “Queremos reduzir a demanda de crédito e manter o investimento, que esse ano deve ser de 10%, ou seja, maior que o consumo e o PIB”. Com informações:site Ministério da Fazenda
© 2018 - SINDARE - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por ConsulteWare